Steven Soderbergh dirige The Knick, ótima série em 10 episódios sobre a medicina no início do século XX

por max 26. julho 2014 02:43

 

Aos 51 anos, Steven Soderbergh já havia anunciado sua aposentadoria da direção. Talvez ele estivesse cansado de tanto trabalho (tem 37 créditos como diretor e 35 como produtor), ou podemos pensar que ele já não encontrava maiores desafios. Mas, certo dia, chegou a suas mãos o roteiro de uma série de TV, e foi então que sua intenção de aposentar-se mudou. A série: The Knick.

Soderbergh já trabalhou muitíssimo e, merecidamente, recebeu uma boa quantidade de reconhecimentos. Em 1985, aos 22 anos, recebeu uma indicação ao Grammy pela melhor direção de vídeo musical de longo formato da banda de rock progressivo Yes.

Em 1989, apresentou Sexo, Mentiras e Videotape (Sex, Lies and Videotape), um drama de casais intenso com infidelidades e sexo picante. Neste mesmo ano, se transformou no diretor mais jovem a ganhar uma Palma de Ouro em Cannes e em um dos maiores representantes do cinema independente dos anos noventa.

Com Irresistível Paixão (Out of Sight), em 1998, começou uma grande amizade e sociedade com George Clooney, que levou os dois a realizar produções de grande sucesso comercial. Irresistível Paixão conquistou boa bilheteria e mostrou Soderbergh como um diretor que podia fazer dinheiro realizando filmes divertidos, com certa pegada de cinema independente.

Em 2000, teve grande sucesso com Erin Brockovich: Uma Mulher de Talento (Erin Brockovich), drama com tons de thriller judicial, que rendeu a Julia Roberts o Oscar de Melhor Atriz. Ao mesmo tempo, Soderbergh também conquistou duas indicações de Melhor Diretor, uma por Erin Brockovich e outra por Traffic. Ele foi o primeiro na história do Oscar a ser indicado a Melhor Diretor por dois filmes no mesmo ano. Dos dois, Traffic o levou a ganhar o prêmio.

Ao lado de Clooney, lançou-se em uma trilogia leve e divertida sobre ladrões refinados, que começou com Onze Homens e um Segredo (Ocean´s Eleven, 2001), projeto inspirado no filme de 1960 estrelado pelo famoso Rat Pack, e que tinha Clooney, Brad Pitt e Julia Roberts, entre outros.

Ele voltaria aos comentários em 2010, graças a Contágio (Contagion), filme coletivo sobre um vírus letal que ataca o mundo. Contágio teve um elenco de primeira, que incluía Matt Damon, Kate Winslet, Gwyneth Paltrow, Marion Cotillard e Jude Law.

Seu projeto mais reconhecido nos últimos anos foi Behind the Candelabra (2013), filme para a TV produzido pela HBO (Soderbergh já havia dirigido a minissérie K Street para o canal), onde Michael Douglas interpreta o excêntrico pianista Liberace e Matt Damon vive seu amante, Scott Thorson. Com Behind the Candelabra, Soderbergh conquistou o Emmy de Melhor Diretor.

Dá para ver que Soderbergh já trabalhou muito. Quando ele disse que iria se aposentar, foi possível compreender. No entanto, um novo projeto cruzou seu caminho. O projeto foi The Knick, uma excelente série em 10 episódios, dirigida totalmente por ele próprio.

The Knick se passa no hospital Knickerbocker de Nova York, no início do século XX, momento histórico em que ainda faltava muito a descobrir-se na medicina. No "Knick", um grupo de médicos, encabeçados pelo doutor John Thackery (Clive Owen), um gênio viciado em cocaína, vai lutar contra os preconceitos morais da época para alcançar uma medicina melhor.

Tudo isto já estava no roteiro que Soderbergh leu. Foi assim que, de uma vez por todas, decidiu aposentar-se… da aposentadoria. Ele disse em uma entrevista: "Eu sabia que se dissesse não a este projeto, de cara a segunda pessoa a conhecê-lo iria dizer que sim." Sem dúvida, Soderbergh escolheu dirigir uma série realmente poderosa, como é The Knick. E, aos 51 anos, ele ainda é muito jovem.

The Knick estreia sexta, 15 agosto, no Max, apenas uma semana após a estreia nos EUA. O que você vê quando vê o Max?

 

Lado a Lado, ou Neo perguntado pelos artesãos

por max 10. dezembro 2013 14:42

 

É curioso: aquele ator que interpretou Neo na trilogia Matrix algum dia se perguntou pelo futuro do cinema analógico. Ou melhor, do filme, do formato 35mm e de todos os outros formatos que vêm em rolos. Keanu Reeves, um dos atores que melhor representam no mundo a metáfora de ser digital, de ser virtual, foi quem se preocupou. Neo quis saber e perguntou.

O filme vai acabar? O cinema, a película do cinema morreram? Assim pensou e saiu perguntando a todos e depois montou um documentário chamado Lado a Lado (Side by Side, 2012). Reeves foi o produtor e o entrevistador e Christopher Kenneally dirigiu.

Os entrevistados foram David Lynch, Martin Scorsese, Steven Soderbergh, David Fincher, Robert Rodríguez, James Cameron, Danny Boyle, entre outros.

O que responderam? Assim como indica o nome do documentário, parece haver um pensamento paralelo. Certa resistência, mas também uma total aceitação dos novos formatos, das suas possibilidades e de suas novas portas. Também a nostalgia se soma e a palavra "arte" abre suas portas. Como sabemos, a arte sempre tem uma vertente de significados que se detém na ideia do artesanal. É desse trabalho dedicado, detalhista e sereno que resultou algo feito a mão. Em Lado a Lado esse tema "artesanal" está ali e se confronta com os cineastas para gerar neles uma espécie de consciência de culpa, digamos, uma espécie de nostalgia do paraíso perdido que perturba suas mentes, apesar de eles terem se aberto completamente para o cinema digital. Neo veio do futuro e trouxe suas perguntas e os artistas responderam. Neste documentário, estão suas respostas.

Lado a Lado, terça, 10 de dezembro.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.

Howard Marks: Mr. Nice, o traficante cool

por max 3. agosto 2013 03:34

 

Bem, este traficante não negocia com drogas pesadas, não anda armado, digamos que não é violento e que nunca perdeu a paciência. Por algum motivo o chamam de Mr. Nice, não é? Ele é alguém real? Existiu ou existe? Ele se chama Howard Marks, e Mr. Nice é um dos seus 43 pseudônimos durante sua vida no tráfico, e que usou também em seu livro, sua biografia. Atenção: como já disse, Marks não foi um traficante de drogas pesadas. Ele era de maconha, sabe? Aquilo que se fuma. E assim, de fumada em fumada, Marks contou uma história com toques de comédia e uma forte crítica marcada pelo humor e que, em 2010, foi levada ao cinema por Bernard Rose, colocando no papel principal Rhys Ifans, amigo verdadeiro de Marks.

Rose, por sua vez, foi capaz de dar ao filme um toque irônico, espirituoso, mordaz e, ao mesmo tempo, fresco, leve, cool e podemos dizer, o mesmo que o livro tem. Sem dúvida, o filme capta outra abordagem sobre o mundo das drogas e se distancia de trabalhos de tons mais pesados como Os Bons Companheiros (Goodfellas, 1990) de Scorsese, Profissão de Risco (Blow, 2001) de Ted Demme, ou Traffic (2000) de Soderbergh. Esta abordagem, também válida em outras vezes, vem enquadrada em outros tempos, de outras ideias, de outras maneiras de observar o mundo.

Tudo começa nos anos sessenta com Marks, um jovem estudante que vai para Oxford e lá descobre o que para ele deve ser a mercadoria que a humanidade precisa conhecer e consumir alegremente. Com esta história, Marks (e também Rose) ri de si mesmo e dos demais. De seu povo, de seus sócios, de outros traficantes, dos terroristas, do poder político, de tudo que tem a ver com o negócio. Mostra a corrupção, a estupidez, os personagens, afasta os véus, se infiltra dentro do grande sistema internacional e, enquanto isso, se apaixona por Judy, sua futura esposa, interpretada pela rainha dos papéis estranhos do cinema independente, Chloë Sevigny.

Domingo, 4 de agosto, aproveite a estreia exclusiva de Howard Marks: Mr. Nice. Cinema independente, cinema inteligente, cinema com humor. O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.

arquivos
 

nuvem