Tão Forte e Tão Perto, drama de Stephen Daldry, dentro do ciclo Na Mira do Oscar

por max 22. fevereiro 2014 03:32

 

Tom Hanks, Sandra Bullock, Max von Sydow, Viola Davis, Jeffrey Wright e John Goodman, todos eles acompanham o pequeNo Thomas Horn em Tão Forte e Tão Perto (Extremely Loud And Incredibly Close, 2011), filme dramático e poderoso dirigido por Stephen Daldry, que fará você estremecer e derramar lágrimas. Daldry é um famoso diretor britânico muito talentoso, autor de filmes importantes como Billy Elliot (que deu a indicação ao Oscar para Daldry como melhor diretor), As Horas (The Hours – que fez Nicole Kidman ganhar o Oscar de Melhor Atriz e Daldry o Globo de Ouro como Melhor Filme Dramático) e O Leitor (The Reader – que fez Kate Winslet ganhar o Oscar de Melhor Atriz).

Neste filme, Daldry se baseia no romance homônimo de Jonathan Safran Foer, um jovem romancista de origem judaica, que teve sucesso imediato com a publicação de seu primeiro livro, Uma Vida Iluminada (2002), a história de um garoto que viaja dos Estados Unidos para a Ucrânia atrás dos passos da mulher que salvou a vida de seu avô na Segunda Guerra Mundial. O romance foi levado ao cinema em 2005 pelo ator e diretor Liev Schreiber. Em 2011, Safran Foer viu mais uma de suas obras na grande tela, o filme em questão.

Tão Forte e Tão Perto apresenta a história de um garoto que sai em busca de algo, neste caso de um segredo: seu pai morreu no atentado de 11 de setembro no World Trade Center, em Nova York, e este garoto chamado Oskar encontra, tempos depois, uma chave em um envelope escrito "Black". Aos nove anos, Oskar é um menino muito especial –provavelmente tem a síndrome de Asperger-, é muito sensível a ruídos, ao mundo externo em geral. Contudo, decide sair às ruas e decifrar o mistério da chave e da palavra. Mas antes de sair ele faz um plano: começa a marcar regiões em um mapa da cidade e nesses lugares indica todas as pessoas de sobrenome Black. Em certo momento, a sua aventura o unirá a seu avô, interpretado pelo maravilhoso Max von Sydow. Enquanto que em casa, conheceremos os silêncios e as angústias (e outras coisas) da mãe de Oskar, interpretada por Sandra Bullock (a esta altura, imagino que devem supor quem interpreta o pai morto). Em seu caminho, Oskar vai conhecendo personagens muito particulares, que vão mostrando aos espectadores uma ampla gama da beleza, a tristeza e a ternura do gênero humano.

Este maravilhoso filme, também dirigido por Daldry, conta com a produção de Scott Rudin, que também produziu a versão americana de Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres (The Girl with the Dragon Tattoo), O Homem Que Mudou o Jogo (Moneyball) e A Rede Social (The Social Network). Uma equipe tão eficaz deu à produção a indicação ao Oscar de Melhor Filme (como sabemos, é indicado o produtor, ou seja, Scott Rudin), e de Melhor Ator Coadjuvante para Max von Sydow.

Tão Forte e Tão Perto, dentro do ciclo Na Mira do Oscar, quarta, 26 de fevereiro, no Max.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.

Etiquetas:

Geral

arquivos
 

nuvem