Nesta semana, o ciclo dedicado a Hayao Miyazaki continua…

por max 25. outubro 2011 06:56

 

Os filmes para esta terça e quarta-feira são:

Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar (Gake no ue no Ponyo, 2008): Num mundo estremecido por um mar enfurecido por causa da contaminação, um peixinho consegue escapar das profundezas e transforma-se numa menininha que sobe à superfície e faz amizade com um menino sonhador. Escrito, produzido e dirigido por Hayao Miyazaki, este filme, segundo o que ele mesmo conta, obteve sua inspiração inicial do conto "A Pequena Sereia" de Hans Christian Andersen, como também da ópera de Wagner "A Valquíria" (Die Walküre). O filme gira em torno do tema da contaminação dos mares, e, porque não, do voo. E digo voo porque muitas dessas imagens marinhas, das profundezas do mar, nos fazem pensar nos passeios aéreos que tanto apaixonam Miyazaki. Aliás, para continuar com o tema das obsessões do cineasta, saibam que o artista se encarregou, pessoalmente, sem ajuda de ninguém, de criar os movimentos das ondas no filme. Qualquer coisa? Não é, não. O filme transcorre numa cidade litorânea, e a presença das ondas, mais do que constante, é onipresente.

Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar, nesta terça-feira, 25 de outubro.

 

 

Sussurros do Coração (Mimi wo Sumaseba, 1995): Um dos últimos filmes dirigidos por Yoshifumi Kondō, que morreu em 1998 por causa de um aneurisma. Nesses últimos anos, Kondō trabalhou exclusivamente para os estúdios Ghibli. O roteiro é do mestre Miyazaki, que também dirigiu as cenas das paisagens, realizadas pelo pintor surrealista japonês Naohisa Inoue. Inoue, desenhista gráfico, ilustrador e artista plástico, é muito conhecido por ter criado o mundo fantástico de Iblard. Inoue foi sempre um grande fã de Miyazaki e, obviamente, não hesitou em trabalhar com ele quando convidado. Aliás, algumas das pinturas das paisagens de Iblard foram usadas no filme.

Sussurros do Coração narra uma história fundamentada na realidade, mas cheia de voos pela fantasia. Trata-se de uma peça delicada, uma pequena história do afeto entre dois jovens que acabam compreendendo que o amor não é somente maravilhoso, mas também nos ajuda a ser melhores como pessoas, a superar-nos na vida. Claro, quando é amor verdadeiro, quando não é um amor egoísta. No filme, há ideias, momentos e situações realmente cheias de sensibilidade e fantasia. As maneiras como Shizuku e Seiji se conhecem é terna, misteriosa e cheia de picardia. O começo da conquista e o encontro acontecem através dos livros, pois cada livro que Shizuku lê na biblioteca é procurado logo depois por Seiji. Essa estranha coincidência faz que Shizuku comece a sentir curiosidade pelo misterioso menino que, inicialmente, parece estar pegando por coincidência as mesmas obras que ela. Se esta pequena história não é uma obra-prima da imaginação, não sei que outra coisa poderia sê-lo.

Sussurros do Coração, nesta quarta-feira, 26 de outubro, no Max.

arquivos
 

nuvem