Je L´aimais, dois homens, um mesmo homem, um só amor

por max 6. dezembro 2011 09:54

 

Je L´aimais (2009), da diretora e atriz Zabou Breitman, é basicamente a história de dois homens. Um presente e outro ausente. Ainda que, no fundo, seja a mesma história de um homem, espelhada. Pierre (Daniel Auteuil) tem à frente dele sua nora Chloe (Florence Loiret Caille), mas na realidade ela não é ela, mas sim a história dele, sua própria história com uma variante, com uma decisão que Pierre não quis tomar. Sua nora acaba de ser abandonada pelo filho de Pierre (o outro homem ausente desta história, alter ego de Pierre) que partiu com sua amante. Diante deste fato, Pierre começa a contar um segredo, uma vida secreta, um amor secreto. Há 20 anos, ele se apaixonou por outra mulher, Mathilde (Marie-Josée Croze). Casado, com dois filhos, com estabilidade burguesa, Pierre mergulha em um romance onde a mulher acaba tornando-se o que ele chama de amor de sua vida. Porém, ao contrário do seu filho no tempo presente do filme, Pierre não dá o passo final. À época, ele ficou com medo de perder o que tinha e o que tem: casa, carro, conforto. Não quis decair social e financeiramente, preferiu a ruína da alma. Agora, muitos anos depois, conta esta história com sua voz e seus olhos tristes, mostra a si mesmo como produto de um fracasso. Não sabemos se Chloe entende ou não, não sabemos se está disposta a compreender as razões do parceiro, o filho de Pierre; o importante é que Pierre se libertou, e deixou entrever complexos dilemas de sua vida. Em uma sociedade onde se idealiza o amor, o que de tão catastrófico pode acontecer ao decidir-se, especificamente, pelo amor? Pode-se querer (apaixonar-se por) duas pessoas ao mesmo tempo? Se, da vida, o mais importante é vivê-la, então por que muitos andam mortos no casamento e só despertam, sentem-se realmente vivos, quando o romance se aproxima deles? E onde fica então o parceiro do casamento, aquela pessoa que talvez se continue amando, e que talvez já nem se ame tanto, mas que, da mesma forma, não se quer perder o que tem? Como todo bom filme, Zabou Breitman nos deixa mais perguntas do que respostas; nos deixa inquietudes, nos confronta, apresenta o confronto com esse outro que somos, com esse outro que somos nós mesmos. Por isso, disse no princípio que Je L´aimais é a história de dois homens; não somente do filho ausente e do pai derrotado, mas também do homem que amou e foi feliz aos pedaços e do mesmo homem que ainda ama mas que não se atreveu a viver plenamente.

Je L´aimais, nesta quarta-feira, 7 de dezembro, no Max.

Para reapresentações, clique aqui.

arquivos
 

nuvem