Tudo Pode Dar Certo, ou Woody Allen e Larry David saíram para caminhar um dia

por max 6. outubro 2011 14:57

 

Woody Allen tinha planejado fazer Tudo Pode Dar Certo (Whatever Works, 2009) nos anos setenta. Mas seu personagem morreu. Foi Zero Mostel, uma grande ator de teatro, que conquistou prêmios Tony e que foi sidekick de Mel Brooks. Mostel também fez incursões em Hollywood, mas antes de fazer ese filme morreu de um ataque cardíaco. Allen salvou o script por anos, à espera de um ator com o tamanho do personagem principal. Allen não queria arriscar interpreteando essa personagem. Boris Yellnikoff é sem dúvida uma personagem particular. Ele é um professor universitário aposentado que se acha um gênio, ele diz que quase ganhou um Nobel de mecânica quântica. Para um suposto gênio, os outros seres humanos parecem um bando de incompetentes. É claro, é mal-humorado, egoísta, sórdido, cínico e insolente. Para piorar a situação, o personagem vai tentar o suicídio e ainda por cima, conhece uma garota com a que tem um relacionamento cheio de tristeza. Sim, Allen poderia ter interpretado Boris. Mas os personagens neuróticos de Allen são bastante ridículos e até mesmo mansos. Boris deve ser, acima de tudo, hostil e ruim. Assim, o tempo passou e lá apareceu o alto e careca criador de Seinfeld, que depois começou a fazer uma série de comédia para a HBO, na que, aparentemente, desempenha a si mesmo. Falamos, como você sabe, de Larry David, o escritor multi-talentoso que criou personagens e um humor maníaco com base em acontecimentos diários. Eu sempre achei que os personagens de David são "maus todos os dias" e quando eu digo isso não estou falando de coisas sexuais no estilo do Marquês de Sade. Não, eu estou falando de personagens cínicos, manipuladores, com inteligência acima da média que leva a "perverter" a realidade, em coisas pequenas, delicadas, mudando a ordem das coisas. Assim são os personagens de David, um pouco mais escandalosos do que os outros. Mas isso é basicamente: são terroristas dos acontecimentos diários. Entre os personagens, Larry David interpreta a si mesmo como o Professor Boris Yellnikof. Então, Allen encontrou seu ator e David um papel que iria tentar interpretar como se fosse ele mesmo, um personagem como ele mas que não é ele, Woody Allen levado ao extremo.

O que também satisfaz de Tudo Pode Dar Certo e o detalhe de que Allen mantém a história em Nova York. Porque nos úlimos tempos, ele faz os seus filmes na Europa, em busca de financiamento e do bom tempo daqueles lados, o filme em questão é realizado em Manhattan, talvez, justamente porque o roteiro já existia desde os anos setenta. Lembre-se que no final da década, Allen dirigiu três filmes representativos de sua carreira e com sede principal na imaginação da sua allenesca cidade, Nova York, estamos falando de Annie Hall (1978), Interiors (1978) e Manhattan (1979). Por isso é bom estar na frente da paisagem vigilante e particular de Allen, um filme que nos deixa com o sabor agradável de um retorno à sua cidade e seus personagens neuróticos, muito próximo da idéia do alter ego. E se somarmos a Larry David a fórmula, certamente é uma comédia interessante que nos leva de volta aos melhores dias de Allen.

Tudo Pode Dar Certo, domingo 09 de outubro, na Max.

Clique aqui para outras exibições.

arquivos
 

nuvem