Corra Lola Corra, ou os universos paralelos múltiplos

por max 19. janeiro 2012 13:12

 

Universo 1

O filme Corra Lola Corra (Lola Rennt, 1998), dirigido pelo cineasta alemão Tom Tykwer, pode ser considerado um interessante exercício de estilo, cheio de velocidade e propostas de argumentos que lembram os famosos Exercícios de Estilo, de Raymond Queneau, um livro constituído de cem textos sobre um mesmo episódio insignificante (um rápido instante de uma viagem de ônibus onde um jovem se queixa e algo e na sequência é visto em uma praça), contado sempre de maneira diferente, com diferentes estilos... em universos distintos?

 

Universo 2

O filme Corra Lola Corra (Lola Rennt, 1998), dirigido pelo cineasta alemão Tom Tykwer, pode ser considerado uma exploração da teoria dos universos múltiplos. Explico melhor: segundo a física quântica, quando uma partícula não é observada, seus movimentos podem ser antecipados, ou profetizados, com exatidão matemática. Ao contrário, quando é observada, a partícula se comporta de maneira irregular. Existe, para explicar tal irregularidade, a teoria dos universos múltiplos (ou paralelos). Segundo esta teoria, diante de uma possibilidade física, o universo se divide, explorando a realização de todas essas possibilidades, ou seja, é o mesmo que dizer que o universo cria outros universos paralelos. É o mesmo que dizer que se um homem escapa de ser atropelado em um universo, em outro esse mesmo homem será atropelado; em outro, receberá um arranhão; em outro, insultará o motorista do carro; e em outro, não será atropelado, mas morrerá por causa de infarto em razão do susto. Certeza é que, segundo esta teoria matematicamente comprovada por cientistas de Oxford, existem outros universos criados a partir de possibilidades de acontecimentos, o que explicaria a razão das partículas se moverem de forma irregular, isso neste e em todos os outros universos. Corra Lola Corra é uma magnífica exploração dessa teoria e suas possibilidades. Uma ação que, no decorrer do filme (e da história), dura 20 minutos, se expande e rende outras possibilidades do mesmo momento, até formar o longa-metragem inteiro.

 

Universo 3

O filme Corra Lola Corra (Lola Rennt, 1998), dirigido pelo cineasta alemão Tom Tykwer, inspirou em mim a seguinte frase para o amor nos universos paralelos: "o beijo que não me destes hoje porque dissestes que não me amavas, sim aconteceu em outro universo, onde sim me beijastes, onde sim me amastes."

 

Universo 4

O filme Corra Lola Corra (Lola Rennt, 1998), dirigido pelo cineasta alemão Tom Tykwer, levou alguém a escrever esta frase sobre sua protagonista, Franka Potente. Esse alguém disse: "Francamente, potente Franka".

 

Universo 5

O filme Corra Lola Corra (Lola Rennt, 1998), dirigido pelo cineasta alemão Tom Tykwer, também inspirou este mini-conto: "Em outro universo, Lola não faz nada, fuma um cigarro e assiste, em um cinema, o filme que se chama Corra Franka Corra."

 

Universo Max

O filme Corra Lola Corra (Lola Rennt, 1998), dirigido pelo cineasta alemão Tom Tykwer, nesta sexta-feira, 20 de janeiro, no Max.

Para reapresentações, clique aqui.

arquivos
 

nuvem