Boneca Inflável, ou ar, amor e vida

por max 13. agosto 2011 05:24

 

Já escrevemos neste espaço sobre Boneca Inflável de Hirozaku Koreeda. Desta vez eu vou adicionar algumas coisas sobre o fôlego da vida e o amor. Em Boneca Inflável (Air Doll), Nozomi, a boneca de ar feita para o sexo, vive através de um sopro de ar único, que vem talvez do cuidado e carinho de seu dono, que não só a usa para satisfazer o seu desejo sexual, mas que a trata como um ser humano. Essa sensibilidade, esse amor, é a fonte da vida. Mas vamos fazer uma pausa por um momento nesse sopro de ar, e por isso vamos falar de Barry Sanders e seu livro Sudden Glory. Sanders disse: "A respiração é o milagre básico da vida. Circulando por todo o corpo, tem sido chamado de muitas maneiras -prhana, spiritus, afflatus, pneuma, anima- mas seja o que for, o nome sempre foi relacionado com algo sagrado. Toda a civilização é montada no ar, toda a criação foi possível graças ao elemento insubstancial." Sanders lembra que na tradição judaica e cristã, o sopro de Deus é santo. No cristianismo, Deus castigou Adão e Eva e a humanidade reduzindo o fôlego da vida. Uma vez que o fôlego deixa o corpo, o homem morre. A respiração, que era apenas emprestada, eleva-se a sua localização original, ao lado de Deus. A respiração é a alma. Como você vê, a respiração, não é qualquer coisa, o ar não é qualquer coisa. Em algum ponto da história, com o Novo Testamento, o sopro da vida (alma) se junta à profunda convicção do amor cristão. O amor como elemento salvador, e, portanto, também de vida. Amor e ar estão inevitavelmente ligados.

O Amor, entretanto, é a afirmação da vida. O buraco da vida, todos os dias, a constante repetição, a falta de sentido cotidiana, está cheia de amor. O amor afirma a existência própria e a do outro, o amor faz você sair da massa e ser único. Diz Fernando Savater no seu livro Convite à ética: "Não existe amor universal, não pode haver nada genérico no amor." Assim, o sopro do amor dá vida, como acontece com a boneca Nozomi (interpretado pela atriz Bae Doona) e com o filme de Hirokazu Koreeda. A boneca, destaca do resto dos bonecos ganha vida e começa a sentir-se curiosa sobre o mundo. Mas o mundo está vazio, as pessoas estão vazias. Tudo é massa, falta amor, falta amor pelo outro. A singularização não está completa. Assim, Nozomi sai para viajar pelo mundo e, finalmente, se reconhece e reconhece alguém. A Nozomi começa a se sentir realmente viva. O amor torna-se então uma força. Cito Savater citando Goethe: "Sentir-se amado dá mais força do que se sentir forte." Essa é a força da vida, é o que faz a boneca se tornar cada vez mais humana. Este filme de Koreeda nos leva a fazer perguntas, sobre os motivos da vida e as razões do amor. Para encerrar, deixo esta frase de Stendhal, perfeita para Nozomi: "Sentir o prazer de ver, tocar, conhecer com todos os sentidos, o mais perto possível, um objeto amável, que seja amável para nós." Nozomi certamente é um objeto agradável que toca e é tocado, que vê e é olhado. E como diz Savater, "objeto amável" só pode ser propriamente uma pessoa. Nozomi, ao invés de um objeto é uma pessoa.

Boneca Inflável, domingo 14 de agosto. Descubra Max.

Clique aqui para outras exibições.

arquivos
 

nuvem