Começa o ciclo Sensos de Humor – Os Homens que Encaravam Cabras

por max 2. dezembro 2011 06:37

 

O senso de humor, muito poucos têm, muito poucos compreendem isso; este mundo está cheio de gente séria demais. O humor é crítica, é ataque, é arma dos fracos contra os poderosos. O humor é como aquele arauto que vivia dizendo no ouvido do imperador romano: "lembre que és humano". Este mês, o Max tem o prazer de apresentar, todas as sextas-feiras de dezembro, um ciclo de cinco filmes sobre Os Sentidos do Humor. São, a saber: Os Homens que Encaravam Cabras (The Men Who Stare at Goats), Uma Mulher, Uma Arma e Uma Loja de Macarrão (A Woman, A Gun And a Noodle Shop), Estrada de Rei (King´s Road), A Mulher do Meu Amigo (A Mulher do Meu Amigo) e Sem Açúcar (Cheeni Kum).

Nesta sexta-feira, 2 de dezembro, começamos o ciclo com Os Homens que Encaravam Cabras (2010).

Há anos, décadas atrás, desde os tempos da Guerra Fria, vem-se falando de certas experiências secretas dos governos com relação aos poderes paranormais. Uri Geller, aquele famoso homem com poder mental que ficou conhecido por entortar colheres, dizia ter sido vítima de experimentos militares relacionados a seus supostos poderes. (Inclusive há um filme de Ken Russell, falecido recentemente, chamado Mindbender, de 1996, que fala sobre Geller e os tais experimentos militares). Costuma-se dizer que os russos foram pioneiros nesse campo, inclusive algumas provas vieram à público; nada que de maneira conclusiva demonstre que a mente é capaz de telecinesia ou telepatia ou adivinhação, ou de matar com somente o olhar. Cientificamente, nada disso foi comprovado. Jon Ronson, um corajoso jornalista galês que já tínhamos mencionado aqui, realizou uma pesquisa sobre o tema há alguns anos, daí saiu um livro intitulado Os Homens que Encaravam Cabras. Aqui, Ronson não somente investiga, mas também, com seu estilo que tem muito do gonzo de Hunter Thompson, zomba dos níveis do absurdo a que podem chegar esse tipo de investigações. De fato, o livro ficou tão bom e divertido que, rapidamente, o Canal 4 britânico realizou uma série de três documentários onde fica evidente esta loucura da qual estamos falando. Mas o assunto não parou aí e, em 2009, o livro passou para as telonas convertido em uma comédia de ficção estrelada por George Clooney, Jeff Bridges, Ewan McGregor e Kevin Spacey, e dirigida por Grant Heslov. Este é o primeiro longa-metragem de Heslov, que já havia trabalhado como ator e como roteirista com Clooney. De fato, com Clooney, foi indicado ao Oscar pelo roteiro original de Boa Noite e Boa Sorte (Good Night and Good Luck, 2005). Certamente, ele levou adiante Os Homens que Encaravam Cabras, provando que gosta de produzir projetos sempre interessantes.

Na adaptação, bastante livre, pois passa do documento jornalístico para a ficção, Ewan McGregor interpreta Bob Wilson, um repórter que vai ao distante Iraque fugindo de seus problemas familiares, mas ao mesmo tempo buscando demonstrar para sua esposa que é um homem de verdade. Lá, ele encontra Lyn Cassady (Clooney), que lhe confessa que fez parte de um grupo de espiões psíquicos do exército. Logo, a história começa a voltar ao passado para contar as peripécias delirantes desse grupo de homens com supostos poderes, como a invisibilidade e a capacidade de matar com o poder da mente.

Os Homens que Encaravam Cabras é uma comédia cheia de momentos absurdos tratados com elegância, com arte cinematográfica, muito como a marca dos irmãos Cohen. O senso de humor deles apela para a inteligência e joga e zomba com graça dos outros sentidos, dos sentidos paranormais que tanto se diz que os militares têm perseguido há décadas.

Os Homens que Encaravam Cabras, nesta sexta-feira, 2 de dezembro, dentro do ciclo Sensos de Humor, no Max.

Para reapresentações, clique aqui.

arquivos
 

nuvem