G.P. 506, The Guard Post, ou labirintos, alquimistas e zumbis

por max 17. março 2011 13:48

 

 

1/ Ninguém tem medo de filmes de terror de Hollywood. Porque têm mais sangue e tripas do que terror do bom. Nos últimos tempos, esses filmes são feitos na maioria por japoneses, chineses e coreanos. Alguns dizem que eles começam a ser repetitivos, que o assunto já está esgotado, mas eu acho que eles ainda têm muito a dizer. O que é certo é que um filme de terror vindo da Ásia, não é igual a um filme americano. Eles nos dão o gosto de um bom susto e, pelo menos fazem a tentativa de nos tirar do lugar comum e de nos surpreender.


2/ Na tradição cabalística, o labirinto tem uma função mágica. Para os alquimistas é a imagem global do trabalho da Obra, o caminho a ser seguido para alcançar o centro espiritual, o tesouro dos tesouros. Mas então, o que iria acontecer se essa busca alquimista, em vez de apontar para o bem maior, apontasse para o egoísmo, o ódio, o mal, a loucura? O que seria o labirinto?


3/ A alquimia, a ciência. O experimento científico, a guerra, o mal. Lembro-me de Jacob's Ladder (1990) de Adrian Lyne, onde a alquimia da guerra, a experimentação de drogas para fazer os soldados ainda mais mortais lançam o personagem de Tim Robbins num labirinto de terríveis alucinações. O Alquimista experimenta com metais, com os líquidos do universo, para conhecer quem ele é, para encontrar a maior elevação, a paz profunda. Jacob Singer, sem saber, foi o resultado de uma experiência com produtos químicos. Como resultado, perdeu o seu centro, esqueceu de quem ele era e começou a procurar. Mas essa busca, como sabemos, foi um pesadelo.


4 / O zumbi, na sua versão mais contemporânea, surge como produto de um erro de laboratório, o lugar asséptico, com motivos frios e egoístas, onde estão testando drogas que visam fortalecer o instinto assassino dos homens. O zumbi, como Jacob, é uma vítima da alquimia deturpada. Só que o zumbi, ao contrário de Jacob, não tem oportunidade de buscar a si próprio nem de viver o pesadelo, anda pelo labirinto, sem consciência, sempre doente, faminto por carne e miudezas, não por espiritualidade.


5/ Assim, o labirinto por onde vagueia o zumbi não tem centro, não tem saída. É um labirinto de horror e o horror e a sua alimentação.


6/ Ele se enfrenta com o zumbi do labirinto, ou com esse ser quase zumbi, envenenado de maldade química, rápido, agressivo e inteligente, enfrenta-o como ao pior inimigo, corpo a corpo, armado até os dentes. Só que a boca do canibal cheira mal e não aperta os dentes, leva a boca aberta e não fica contente com matá-lo. Faz você sentir dor, muita dor e saudade e quer destruir você.


7/ Posto de Guarda 506 (G.P. 506 - The Guard Post, 2008), do diretor da Coreia do Sul, Su-chang Kong, explora a imagem do labirinto, do vírus mortal, do zumbi, ou algo similar e, a batalha nesse lugar cheio de cantos, desorientação e pesadelos surpresa. Este é um filme de terror, puro entretenimento, mas sempre contribui com esta variante asiática. Esta não é uma emulação da série Resident Evil. Aqui, além da ação, está presente o horror, o medo na sua forma mais pura.


8/  Posto de Guarda 506, domingo 20 de março. Descubra Max.


Para retransmissões, clique aqui.

arquivos
 

nuvem