Sob a Pele, de Jonathan Glazer: suspense e prazer no corpo de Scarlett Johansson

por max 16. dezembro 2014 10:13

 

O britânico Jonathan Glazer já fez vários videoclipes. Dirigiu para o Radiohead, Jamiroquai e para o Massive Attack, entre outros. Mas Glazer também fez filmes, em 2000 entregou, como sua primeira obra, Sexy Beast, filme protagonizado por Ray Winstone e Ben Kingsley. Apenas começando na sétima arte, produziu uma obra-prima, tanto que é considerado um dos filmes mais importantes do cinema britânico de todos os tempos. Em 2004, ele nos apresentou Reencarnação (Birth), estrelado por Nicole Kidman, um drama com suspense e um toque sobrenatural marcado e muita controvérsia. E em 2013, nos trouxe Sob a Pele (Under The Skin), um filme cheio de suspense, mas desta vez combinado com um novo elemento: a ficção científica. Mas não a ficção científica cheia de efeitos especiais, estilo George Lucas. Neste caso, trata-se de uma interpretação muito particular de Glazer da ficção científica. O erótico, como em Reencarnação, também está presente, mas mobilizado, pervertido, para dizer de alguma forma. E Nicole Kidman, que esteve em 2004 para movimentar os difíceis detalhes daquele filme controverso (com estranhos toques de pedofilia, por exemplo, para esclarecer de uma vez o mistério), desta vez é Scarlett Johansson, que jogará esse jogo duplo de sedução e terror. Pois a bela Johansson interpreta uma mulher que seduz homens na estrada, mas no final, deixará ver o que está por trás de toda sua beleza e sensualidade. Ela é na realidade uma alienígena com intenções obscuras. Neste filme, o desejo e o prazer são magistralmente misturados para oferecer um bom entretenimento, mas também tem profundidades humanas e exploração de temas difíceis, como a relação entre o sexo e a morte. Sem dúvida, esse é outro maravilhoso trabalho de Glazer.

Sob A Pele, domingo 21 de dezembro, no Max.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.

Etiquetas:

Geral

Muito Barulho Por Nada, a melhor comédia de Shakepeare em nossos tempos

por max 16. dezembro 2014 09:52

 

 

Muito Barulho Por Nada (Much Ado About Nothing, 2012) é dirigido por Joss Whedon, diretor de The Avengers: Os Vingadores e da série Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D, e produtor da maravilha O Segredo da Cabana (The Cabin in the Woods). O filme, como muitos sabem, é a adaptação da célebre obra teatral de William Shakespeare de 1599, uma das mais importantes comédias literárias de todos os tempos. Whedon, vale destacar, filmou em doze dias, em sua casa, com atores amigos e familiares. Tinha pouco tempo entre uma superprodução e outra, mas o sonho de toda sua vida era realizar esta obra de Shakespeare. Então ele fez!

Como já indiquei, neste caso a comédia foi adaptada para nossos tempos, e a história foi simplificada para centrar-se nos personagens principais. Nesta história que acontece em Messina (como na obra), cidade portuária da Sicília, Cláudio se apaixona pela garota Hero, e também deseja que seu amigo Benedito se apaixone por Beatriz. Mas nem Benedito nem Beatriz acreditam no amor. E todo este desejo de amor encontrará suas dificuldades, pois em torno deles girará não apenas o plano bem intencionado, mas também a inveja. Será que o amor é mais forte que a inveja? Isto deve ser visto, porque a inveja sabe aprontar das suas, armadilhas, confusões, mas, em uma comédia, tudo o que parece muito maléfico pode terminar sendo realmente divertido.

Se você não gostou da adaptação de Kenneth Branagh (que respeito muito), então vai gostar desta.

Muito Barulho por Nada, domingo 28 de dezembro, no Max.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações clique aqui.

 

Etiquetas:

Dentro da Casa, uma comédia profunda sobre a arte de narrar uma vida

por max 12. dezembro 2014 11:29

 

Do diretor François Ozon, de quem tivemos o prazer de ver filmes no Max como Potiche – Esposa Troféu (2011) e Ricky (2009), agora você assiste Dentro da Casa (In The House, 2012). O filme apresenta Germain (Fabrice Luchini), um professor de literatura francesa e escritor fracassado, que vive farto de que seus alunos não prestam muita atenção nas aulas, que não se interessam por nada. Porém, finalmente, Germain encontra uma luz, não nele, mas em outra pessoa: em Claude (Ernst Umbauer), um jovem que senta na última fileira que começa a demonstrar um grande potencial em sua narrativa. Claude descreve em textos a vida de seu melhor amigo Rapha (Bastien Ughetto), seu mundo familiar, seu pequeno mundo burguês (muito típico no cinema francês). Através destes relatos, Claude vai revelando um mundo e ao mesmo tempo estabelecendo as bases de uma teoria narrativa: manter o leitor em estado de tensão, no suspense. Neste caso, Germain. Um jogo entre o real e a imaginação fascinante, que demonstra mais uma vez o talento deste grande diretor que François Ozon é.

Dentro da Casa, domingo 14 de dezembro, no Max.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.

 

Etiquetas:

Geral

Dentro da Casa, uma comédia profunda sobre a arte de narrar uma vida

por Max 12. dezembro 2014 11:21

 

Do diretor François Ozon, de quem tivemos o prazer de ver filmes no Max como Potiche – Esposa Troféu (2011) e Ricky (2009), agora você assiste Dentro da Casa (In The House, 2012). O filme apresenta Germain (Fabrice Luchini), um professor de literatura francesa e escritor fracassado, que vive farto de que seus alunos não prestam muita atenção nas aulas, que não se interessam por nada. Porém, finalmente, Germain encontra uma luz, não nele, mas em outra pessoa: em Claude (Ernst Umbauer), um jovem que senta na última fileira que começa a demonstrar um grande potencial em sua narrativa. Claude descreve em textos a vida de seu melhor amigo Rapha (Bastien Ughetto), seu mundo familiar, seu pequeno mundo burguês (muito típico no cinema francês). Através destes relatos, Claude vai revelando um mundo e ao mesmo tempo estabelecendo as bases de uma teoria narrativa: manter o leitor em estado de tensão, no suspense. Neste caso, Germain. Um jogo entre o real e a imaginação fascinante, que demonstra mais uma vez o talento deste grande diretor que François Ozon é.

Dentro da Casa, domingo 14 de dezembro, no Max.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.

Etiquetas:

Extraterrestre, uma comédia romântica com invasão do espaço exterior

por max 5. dezembro 2014 12:45

 

Esta é uma história de amor… bom... não, é uma história de extraterrestres, bem, não… é uma história de amor no meio de extraterrestres. Assim é Extraterrestre (Extraterrestrial, 2011), este maravilhoso filme de suspense e amor do espanhol Nacho Vigalondo. O filme tem uma dessas explosões típicas de thriller: um homem acorda junto com Julia (Michelle Jenner), e se lembra que passaram a noite juntos, e foi maravilhosa. Ele quer continuar com ela, mas ela tem namorado, e o namorado chega. Mas antes que o namorado chegue e se forme a confusão, acontece algo mais. Mas o que acontece? Simplesmente acontece uma invasão extraterrestre. Para efeitos do filme, lá fora, tem uma nave espacial.

A partir dessas premissas, ou seja, uma comédia romântica com extraterrestres, se desenrola um filme divertido e tenso, que vai revelando assuntos do passado dos personagens, interpretados magistralmente por atores que souberam ajustar e se entender. E os extraterrestres, continuam lá fora.

Extraterrestre, domingo 7 de dezembro, no Max.

O que você vê quando vê o Max?

Para reapresentações, clique aqui.


Etiquetas:

Geral

arquivos
 

nuvem